Pular para o conteúdo principal

Ventos de Paz

No meio da noite, quando ainda era frio o teu Amor me aqueceu
E quando todos os meus amigos correram Eras o único que segurava a minha mão
A minha alma estava perdida e a sua Palavra me trouxe de volta ao Reino da luz.


Já posso ver o horizonte porque a guerra já passou. Restou só a neblina.
A chuva veio regar o campo pra fazer desabrochar as flores e crescer os frutos
Agora a casa está com tudo em seu lugar e a luz do Sol pode entrar iluminando.


A brisa do Senhor vem soprando e trazendo a calmaria dos dias de Paz
O céu azul-turquesa com suas nuvens em ondas são uma obra-prima
Na cidade de cimento e aço com relógios disparados, Ele é o guardião do Tempo .



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fenda da Salvação

Infinitas são Tuas misericórdias para com os que Te amam
Porque quando correm os dias em meio à guerra, És refúgio
E sigo clamando até que transforme águas amargas em doces.

Lá no cume do monte pude contemplar a beleza da Tua criação
E eu tão pó, ser simples sem Ti, desfaleço e assim vejo a Glória
Faz-me inabalável, espírito reto escondida na fenda da Salvação.

Que fujam os céus, sequem os mares diante da Tua Magestade
Com Trono em lugar celestial tens a Terra por estrado dos pés
Com a Palavra fizeste o Verbo que se fez vivo e eu pude te Ver.

Poema pra Deus me Ler

Esquadrinhas tudo em mim, tudo sabes da existência
Nada passa despercebido aos Teus Olhos. Nada.
E eu ser tão pequeno clamo mais uma vez sua atenção.

Eu faço de mim mesmo texto para que leia e corrija
Corrija-me com fogo puro e o Sangue mais Vermelho
Endireite essas minhas tortas linhas tão descompassadas.

Torna-me mais alvo como a neve das folhas do Livro da Vida
Faz-me livre e leve pelo caminho da Santidade
A visão da Tua glória e a presença tudo ao redor avivam.

As pessoas correm, encurtam os dias, somem os minutos
Não tem mais utilidade um relógio porque o Fim arrasta
Como um poema novo na placa de Vidro, impressiona a Eternidade.

Uma sala na Casa de Deus

Eu estava sem rumo e fui atrás de abrigo
A tempestade diminuiu a fé e tremi
Os meus ossos clamam por socorro enquanto me ajoelho pra guerra.


Subi o monte para ver sua face, fiquei firme e ergui um altar
As nuvens encobriam as paredes da casa e no chão o reflexo
Enquanto as janelas eram de cristal puro e as batentes de platina.


O piso de granito e mármore eram cobertos pelo Teu manto
O Teu manto da cor branca mais pura, meus olhos contemplaram
Suas mãos estavam fixamente estendidas e no peito um escudo.


Sua face reluzente e brilhante era quase indecifrável.
Tua gloria encheu a sala e eu fiquei entorpecido pela Presença
Como posso eu Ser simples e mortal, compreender lá do Alto sem a Sabedoria?


Pois sem crer não é possível ditar as maravilhas que no Céu habitam
Lá mora Deus, que em tudo e sobre todos tem poder. Ele é o Criador.
Já eu, daqui contemplo e exalto a Tua Majestade, oh Senhor.