Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2014

A Grande Guerra

Sou como um peregrino vou pelas madrugadas sem parada
Todo o fôlego se foi e já não sinto meus pés firmados
A minha mente sempre inquieta juntando mil coisas

Muitos anos de batalha deixaram as minhas fardas gastas
As botas sem solas e munições já no fim. Quase resto
Camuflagens não escondem mais a minha dor...

Até quando tudo isso, hein Senhor?

Entre fios, grades, avenidas e vielas nada têm saída
Imobilizada pelo meu próprio medo, não posso prosseguir
Enquanto o grande Dia não chega tento me manter em pé.

Minutos que parecem tão longos me afastam da Sua volta
A maré sobe e tento ir contra a esperança
Na minha rede acabaram os peixes, sobraram anzóis.

E na garganta seca as lágrimas vão bradar
Quando houver fraqueza tua Palavra me sustentará
No dia que não conseguir mais ver a Sua gloria me guiará.