Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2013

A vela e o copo d'agua (Um poema triste sobre a solidão)

A madrugada parecia tão infinita com a falta de luz
Meus pensamentos circulavam entre o Céu e o Inferno
Enquanto meu coração gritava para que não Fosse embora.

A solidão me consumia como se andasse à beira do precipício
Tudo transformou-se em dor com ausência completa do amor
E num segundo meus olhos já não podiam ver as Tuas mãos.

Na guerrilha entre a vontade da minha carne e o anseio pela Sua glória, quase morri
Nenhum sentimento era como antes, a inocência de menina já tinha sumido
Porque minhas lágrimas secaram com os gritos desesperados.

Então em meio a essa tempestade e emoções em turbilhão, adormeci.
Apenas a luz dourada de uma vela me fazia companhia perto da minha cama
E a minha garganta sem voz de tanto suplicar pra que Tú não fosses embora, emudeceu.

E a sede pelos raios de uma nova manhã era saciada por um simples copo d'agua...



Teu Reino, um Paraíso

Eu andei muitos quilômetros, percorri fronteiras
Resisti às tempestades e perdi o medo da noite
Dobrei meus joelhos e me derramei em louvores.

Quadros antigos com outras paisagens não valem mais
Preferi buscar um novo horizonte no céu azul
E jogar fora as roupas velhas e sapatos apertados.

Apresentaram-me uma nova vida muito mais bonita
Onde vi Cachoeiras cintilantes, montanhas elegantes
As flores tinham cores platinadas e brotava leite e mel.

Como orquestra alegre cantava o pássaro imponente
Os animais mansos pra pessoas nem ligavam
Tinham folhas e frutos para cada mês do ano.

Rios cor de esmeralda brilhavam como cristal
Margens de terra fofinha germinam nossos sonhos
Estações obedecem a voz do Criador, vertendo a brisa.

E aquele que se entregou como ovelha muda, sem pecado
Agora está sobre o Trono, e pelo povo é exaltado Rei
Seu sacrifício não foi fácil, só por amor se pode entender.

Lágrimas do Primeiro Amor...

Estou em cacos com o coração prostrado
Tento ver o horizonte, mas a tempestade é constante
A chuva escorre das nuvens limpando a minha alma.

O piso está áspero e na sala não há mais música
Meus pés confusos desaprenderam a dança
E meus olhos não choram mais como o primeiro Amor.

A minha voz muda grita incessantemente para que ouça
Emoções rastejam atordoadas pedindo a Cura
Meu corpo se debate procurando o caminho da casa de Deus.

A Última Espada

Os dias passam mais rápido, nem se pode contar
Aos céus a Terra clama por um que salve
E todos olham para o alto esperando a Redenção.

As notícias não trazem mais alegrias
Há rumores de guerras e pratos sem comida
E sirenes ressoam como a alvorada.

A última batalha é armada, as fontes transbordam de água
Camuflagem e botas dão novo fôlego para lutar
Aguardando a hora que o Grande General voltará.

Ele vai esmagar o inimigo e enxugar toda a lágrima
Irá reerguer os muros da cidade devolvendo a vida
E sobre todo o Tempo reinará com Justiça.

Regresso (Sem Glória)

Os dias passam tão rápido e as estações se confundem
Enquanto eu ando procurando casa, a chuva cai
Vou correr para a casa do meu Pai, me lançarei no altar....

A Ti serei como sacrifício vivo, bem perfeito
Morrerei pras minhas vontades, deixarei os privilégios
E me humilharei diante da Sua face.

Então clamarei a cura pro meu coração quebrado
Que a chuva lave meu rosto dos pecados
Para que meus pés se firmem nos Seus passos.

Tua Cruz brilhou

Já é noite...
A madrugada curta ainda fala
Mas o sol com toda a força brilha.

Eu levantei meus olhos e vi a tua Cruz
Seu ato de amor me mostrou o perdão
E seu amor curou meu coração.

O calendário, as chuvas vão passar
As palavras e as guerras vão findar
Somente o Amor que vem de Ti, permanecerá.

À beira de um Perdão (Novo dia depois do pôr-do-Sol)

Dias tão incompreensíveis, ventos terríveis
Eu achava que sabia tanta coisa na vida
Meus próprios pés parecem me jogar no abismo.

Quando se quer as mãos, elas somem...
E o que fazer quando não se pode mais gritar?

Quando Deus, te diz: Cala-te!
Você cala a sua alma dobrando seus joelhos
E entrega o coração esperando perdão.

As palavras de vida eterna, a Salvação
A Misericórdia, a Compaixão
O abraço do amigo mais chegado que um irmão.

Aquele olhar viu a dor em seus passos
A sua dor deixou meu coração quebrado
Apenas uma palavra nos separa de uma nova vida.


Eu desejo a Paz do Rei

Quando estou em meio da tempestade a Tua mão me guarda
Às vezes só lágrimas caem dos meus olhos e Tua mão a seca .

Ou se meus pés caminharem para o abismo Teu Santo Espírito me lembrará do caminho vivo
Meu coração se lembra de que é meu único Rei e Salvador

Minha alma se aquieta ao som da sua voz
Ela anseia pela volta do seu Amado, pela cura e seu poder. Toda a Paz está em Tí. Deito e logo adormeço, porque sei que Teus braços me envolvem
Criador de todo o universo e poderoso guarda de Israel.

Nem mil desculpas

Meus muitos erros quebraram as leis.

Escondo o rosto com as mãos sujas...
É tanta a minha vergonha e tristeza
por não conseguir deixar o meu pecado.

Arranquei os ponteiros do relógio.
Pintei de negro seus espelhos
e apaguei as minhas pegadas do carpete de madeira.

Nem mil folhas serviriam para escrever desculpas
Talvez seja tarde pra qualquer argumento
Vou pisando em falso, quebrando ovos.

Quem sabe a chuva leve minhas transgressões embora
devolvendo aos olhos dos homens a sinceridade do meu coração
fazendo renascer uma nova chance de perdão.

Meu Rochedo (A promessa de Deus, também é lugar firme. Nos Teus braços tenho segurança.)

Senhor, todos os dias parecem noites...
Eu ouvi muitas coisas sobre as madrugadas
Onde a minha vida se esconde depois do luar de prata?

Desejei uma terra que não morasse a fome
e que o frio não me tocasse.
Tive até medo do incerto quando mostrou-se real.
A minha garganta estava sem cordas
porque o meu clamor as tinha consumido.

Clamei em alta voz até que enchesse os Céus
e com dores derramei lágrimas que se transformaram em oceanos
segurei em Teus braços, fui salvo pelo  seu amor.

Saí da tempestade, avistei a Nova Terra
lugar de benção, provisão e salvação
um presente do Eterno, que alegrou meu coração.

A Cura

Sem ar, pés e mãos atadas
Olhos vendados, ouvidos tampados
Sensações em nó com os sentimentos
Verei chegar o milagre.

Um campo com espinhos
O bosque todo florido
As árvores estão cortadas
Mas o rio Não secou.

Pôr-do-Sol cor de prata
Ventos que parecem furacões
Chuva tempestuosa
O mar revolto Jesus acalmou.

Aliança

Ele viveu
E por mim morreu
Ele, a vida me deu
E dos meus pecados se esqueceu
Ele, se fez maldito
E me trouxe a cura
Ele levou as minhas dores
E me religou com o Pai
Ele é meu melhor amigo
Ele é meu grande amor
Ele é a razão da minha alegria
Ele é a fonte da minha vida
Ele é a inspiração de toda poesia
Ele é Rei e sacerdote absoluto
Jesus, deixou a sua glória e o esplendor
Se entregou com amor para salvar toda tribo, lingua e nação.

Sou Folha Nova

Infinito é o Teu Amor
Um sacrifício insubstituível
Diante de uma Cruz incontestável.

Tornou a minha dor na Sua carne, insuportável
E quando a dor do meu coração se fez em lágrimas
Sua cura moveu meus passos para adorar.

Estava perdido entre a dúvida e a fé
Mergulhando fundo na lama do meu pecado
Como foto em preto e branco, minha vida não era colorida.

Mas agora sou livre como o vento, leve como a folha
Balanço como as flores, movida pelo som da Tua doce voz
E como as aves rasgarei os ares com as Tuas palavras de Salvação.

Resgata-me II (Meu coração está clamando!)

A minha alma briga contra a minha carne ardentemente
Meu espírito que ver a face do Senhor, ser tocado pelo seu amor
Enquanto vejo as maravilhas do Céu e o grande Trono
E a alma se esquece de Deus e anseia cair nos pecados deste mundo.

Vem ó Deus, e mais uma vez resgata-me
Quebra as cadeias da minha mente
Tira as correntes do meu coração
E leva-me novamente até o lugar onde habita, Senhor!

Arranca de mim outras imagens
Pra que eu possa ver os Teus altares
Quero deixar pra trás tudo que é valioso
Diante da Tua cruz me humilhar, chorar
Assim eu poderei ser como Jesus, foi até o fim...
SANTO.

Levarei as Boas Novas

Eu clamei até que me ouvisse
Rasguei meu coração e bradei em alta voz
Despi-me das minhas vontades
E joguei fora o meu velho “EU”.

Lavei minhas vestes no Teu sangue
Purifiquei meus lábios na Tua brasa
Também calçei meus pés com a Tua justiça
E levarei as Boas Novas para a salvação dos povos.

Vou dizer que a Tua graça encheu meu coração
Que a Tua misericórdia livrou-me dos perigos
Enquanto Tuas asas me serviam de abrigo
E que um instante em Teu abraço, faz tudo parecer infinito.

O Senhor do Tempo

Ainda que a tempestade apareça
ou as ondas venham me afogar
Ele nunca me deixará.

Se as pessoas se voltarem contra mim
Ele me defenderá, me salvará
porque o Tempo é dEle
e o todo o Tempo foi feito por Ele
Ele é o Senhor do Tempo.

Ele é a minha redenção
onde a minha encontrou salvação
e achei a cura pro meu coração.

Nenhuma folha cai sem Sua ordem
sem Seu comando o sol, não nasce
as sementes não crescem e os rios não correm.

Porque o Tempo é dEle
e o todo o Tempo foi feito por Ele.
Ele é o Senhor do Tempo.


Véu Rasgado

Eu ví a Sua glória
Contemplei Tua majestade
E sentí a força do Seu poder.

Quando estou Contigo, me entrego
As lutas dissolvem como poeira
A Eternidade, do Céu desce
E o tempo não controla mais o fim.

Quão maravilhosa é a Tua presença
Todos a Tí se rendem!
As cadeias são quebradas
E através da adoração, Tua igreja é sarada.

Nunca Pare de Sonhar - poema de Murilo Fernando

Nunca parem de sonhar, porque depois da luta vem a intensa alegria e ficamos realmente como quem sonha, quando Deus nos dá Suas maravilhosas surpresas. Mais um poema para abençoar a nossa semana. Agora é a vez do Murilo Fernando, eu recomendo!

Nunca pare de sonhar
Onde estão os meus sonhos?
Os livros que me traziam esperança
A voz e violão que fazia eu naquela praça?

Onde estão as melodias?
Que enchiam o meu coração de ânimo
A inocência de criança
Que via as situações com bons olhos?

Onde eu estou?
Onde me perdi?
Onde me encontrarei?
Onde acharei a inocência
A melodia, o violão
Os livros, os sonhos
Que cantava eu naquelas canções?

Minha canção hoje é aguardar
Minha canção hoje é continuar a sonhar
Pois aquele que não sonha, perece
E se distancia dos sonhos de Deus

Minha canção hoje é recomeçar
Mesmo que os olhos vejam a ruína
Que as pedras bloqueiem a saída
Minha canção hoje e sempre será
Continuar a sonhar

Murilo, poeta. Mais poemas e mensagens em: http://www.refugioodeumsonhador.blo…

Eu Sou - um poema de Mario Sergio Nascimento

Caro leitor, eu estarei publicando nas próximas semanas poemas de algumas pessoas que me inspiram e motivam a escrever. Este é o primeiro, espero que vocês gostem.
Um abraço e Feliz 2013! Deus abençõe.


Eu Sou

Caminho, Verdade e Vida
Maiúsculas douradas esculturais

Caminho pelo vale da sombra da morte
Caminho pelos verdes pastos
O Senhor me saúda, abençoa-me verdadeiramente

Verdade é espada que despedaça os enganos da mentira
Verdade é luz que dissipa toda a escuridão, mostra o Caminho
O Senhor me explica, desvenda-me os mistérios do Céu e da Terra

Vida é o Espírito de Deus pulsando em mim
Vida é a conclusão, é a Verdade mostrando o Caminho que leva à Cruz
 Já não sou eu quem vive, mas quem vive em mim? Jesus

Mario Sergio, poeta.
http://umandarilhoemacao.blogspot.com.br/