Pular para o conteúdo principal

A vela e o copo d'agua (Um poema triste sobre a solidão)

A madrugada parecia tão infinita com a falta de luz
Meus pensamentos circulavam entre o Céu e o Inferno
Enquanto meu coração gritava para que não Fosse embora.

A solidão me consumia como se andasse à beira do precipício
Tudo transformou-se em dor com ausência completa do amor
E num segundo meus olhos já não podiam ver as Tuas mãos.

Na guerrilha entre a vontade da minha carne e o anseio pela Sua glória, quase morri
Nenhum sentimento era como antes, a inocência de menina já tinha sumido
Porque minhas lágrimas secaram com os gritos desesperados.

Então em meio a essa tempestade e emoções em turbilhão, adormeci.
Apenas a luz dourada de uma vela me fazia companhia perto da minha cama
E a minha garganta sem voz de tanto suplicar pra que Tú não fosses embora, emudeceu.

E a sede pelos raios de uma nova manhã era saciada por um simples copo d'agua...



 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fenda da Salvação

Infinitas são Tuas misericórdias para com os que Te amam
Porque quando correm os dias em meio à guerra, És refúgio
E sigo clamando até que transforme águas amargas em doces.

Lá no cume do monte pude contemplar a beleza da Tua criação
E eu tão pó, ser simples sem Ti, desfaleço e assim vejo a Glória
Faz-me inabalável, espírito reto escondida na fenda da Salvação.

Que fujam os céus, sequem os mares diante da Tua Magestade
Com Trono em lugar celestial tens a Terra por estrado dos pés
Com a Palavra fizeste o Verbo que se fez vivo e eu pude te Ver.

Poema pra Deus me Ler

Esquadrinhas tudo em mim, tudo sabes da existência
Nada passa despercebido aos Teus Olhos. Nada.
E eu ser tão pequeno clamo mais uma vez sua atenção.

Eu faço de mim mesmo texto para que leia e corrija
Corrija-me com fogo puro e o Sangue mais Vermelho
Endireite essas minhas tortas linhas tão descompassadas.

Torna-me mais alvo como a neve das folhas do Livro da Vida
Faz-me livre e leve pelo caminho da Santidade
A visão da Tua glória e a presença tudo ao redor avivam.

As pessoas correm, encurtam os dias, somem os minutos
Não tem mais utilidade um relógio porque o Fim arrasta
Como um poema novo na placa de Vidro, impressiona a Eternidade.

Novamente Esperança

Na minha angústia clamei ao Deus de todo o Céu pra me socorrer
E Ele como pai amoroso resgatou-me com forte mão e respirei
Pude contemplar a glória e com gratidão dar-lhe um cântico novo.

Meu coração novamente foi cheio de Esperança por um novo dia
Eu voltei a sonhar os sonhos que em mim Ele mesmo plantou
Que a Tua glória encha toda a Terra assim como as águas cobrem o mar

E que ninguém se vá deste mundo sem conhecer a Face do Senhor
Faz de mim ó Deus instrumento da vossa paz e proclamador da Salvação
Dentro e fora de tempo bendirei tuas maravilhas e exaltarei seu Nome.